Cuidados para evitar a obesidade infantil durante a pandemia

Por Redação 16/08/2020 - 00:00 hs

Levando a preocupação das mães neste período de pandemia mundial de Covid-19, a Prefeitura Municipal de Uberaba orienta sobre cuidados para evitar a obesidade infantil, principalmente durante o período em que as aulas se encontram suspensas. Elisabete Mantovani, diretora-médica e endocrinologista do Centro Municipal de Diabetes e Hipertensão (Cemdhi), inaugurado no início de julho, conta que devido a pandemia, com as aulas online, as crianças têm ficado muito quietas dentro de casa, sem fazer exercícios.

O Cemdhi atende hipertensos e diabéticos de difícil controle e obesos mórbidos encaminhados pelos médicos das unidades da Atenção Básica de Uberaba, trabalhando a prevenção e o cuidado para evitar o agravamento das doenças. Trata-se de uma unidade referenciada, ou seja, o paciente só vai ser atendido lá a partir de um encaminhamento da unidade básica, caso ele precise atendimento mais complexo. Segundo Elisabete, duas crianças já foram encaminhadas para o Centro, uma de 10 anos e outra de 15, por terem desenvolvido diabetes tipo 2 por conta da obesidade.

"A própria ansiedade [por ficar em casa] gera mais apetite, a criança acaba comendo mais e os pais, querendo agradar, acabam comprando muita bobeira", relata a endocrinologista. "Então, a gente orienta os pais a evitarem comprar comidas industrializadas, trabalhar com a criança na hora de fazer a comida, ensinar ela a fazer alimentos mais saudáveis, consumir mais verduras e frutas", complementa.

A nutricionista do departamento de Nutrição e Alimentação Escolar da Secretaria de Educação (Semed), Márcia Damasceno, reforça a importância da família para que a alimentação seja prazerosa e envolva as crianças na elaboração dos alimentos, desde a higienização até a preparação final (de acordo com a faixa etária e sob supervisão de um adulto) como estratégia.  "O ato de cozinhar deve ser resgatado e repassado de geração para geração, pois contribui de forma de efetiva com a promoção de hábitos alimentares saudáveis. A alimentação não deve ser utilizada como punição ou gratificação, em outras palavras, se a criança comeu toda a refeição parabenize com certeza, mas não condicione o consumo de doces como premiação", orienta Márcia. Segundo a nutricionista, tanto o Guia Alimentar para a População Brasileira (2014) e o Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 Anos (2019) podem ser consultados em caso de dúvidas.