Política

Por Cláudio Humberto 23/11/2019 - 00:00 hs

“Muito fácil dizer que é perseguição. Difícil é explicar os fatos”

Ministro Sérgio Moro (Justiça), ex-juiz que condenou Lula por corrupção e lavagem


STF decide após consultas a grupo internacional

É lorota a alegação de que do Supremo Tribunal Federal pode levar o Brasil à “lista cinza” (“negra” virou expressão politicamente incorreta) do Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento do Terrorismo (Gafi/FATF). O Ministro Dias Toffoli emitiu sinais e garantias de que nada afetará os compromissos do Brasil no combate à corrupção. Há 15 dias, ele até mandou a Paris três assessores de alto nível para uma conversa franca com o Gafi.


Olho-no-olho

Nove dias depois da reunião de Paris, Toffoli recebeu em Brasília, para um olho-no-olho, o eslavo Drogo Kos, dirigente do Gafi. Tudo em paz.


Escalão avançado

Toffoli mandou a Paris uma comissão formada por um juiz federal, um diplomata e um advogado, para a conversa esclarecedora com o Gafi.


OCDE na agenda

Os assessores do STF foram também à sede da OCDE, por acaso no mesmo prédio do Gafi, para idênticos esclarecimentos. Tudo certo.


Freio de arrumação

O “freio de arrumação” do STF, segundo Toffoli, teve o objetivo de impedir “investigações de gaveta para assassinar reputações”.


Novo partido avisa: é de direita, mas democrático

O presidente Jair Bolsonaro fez questão de definir claramente a cor ideológica do Aliança pelo Brasil, partido que criou nesta quinta (21). “Trata-se de um partido de direita”, afirma o secretário-geral Admar Gonzaga, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), “que fique bem claro!” Quando criados, os mais de trinta partidos no Brasil sempre citaram “compromissos sociais” para fingir que não são conservadores. O Aliança nasce com a pretensão de se transformar no maior do País.


Compliance

Em seu programa, o partido anunciou que será o primeiro a adotar regras de compliance, como uma blindagem à corrupção.


Defesa da família

O partido será conservador nos costumes, na defesa da vida, da família com o “combate à ideologia de gênero e à erotização da infância”.


Defesa da democracia

A defesa da democracia é outro princípio do novo partido, diz Admar Gonzaga. Ser de direita, lembra ele, não é atentar contra a democracia.


Coisa feia, d. Merkel

É da Alemanha, que adora ditar regras de comportamento ao Brasil, o navio Voyager I, principal suspeito de derramar petróleo venezuelano no litoral do Brasil. Uma vergonha para a chanceler Angela Merkel. A Marinha recebeu com reservas o trabalho de pesquisadores da Ufal. 


Ataques sintomáticos

Novamente a deputada Maria do Rosário (PT-RS) foi flagrada em vídeo em ataque quase histérico, na Câmara. Os petistas deveriam se compadecer e cuidar da companheira. Ela não está bem.


PODER SEM PUDOR

Cabrinha demagogo

Ramiro Pereira era atuante vereador em São José da Lage (AL) quando, mais uma vez, envolveu-se em bate-boca com um colega. “Vossa excelência é um demagogo!” – atacou. Seu oponente já ia responder, mas, sabedor das limitações de Ramiro, optou por tentar revelá-las: “O que é um demagogo, nobre vereador?” Ramiro não contou conversa: “Sei não, mas deve ser um cabrinha safado assim da sua marca!” A sessão quase acaba em pancadaria.


Com André Brito e Tiago Vasconcelos

www.diariodopoder.com.br